IST ULisboa – DEI – Associate professor job opening

Being a school of excellency is what every university aims for. However, the meaning of such aim depends on the beholder.

Recently, the Computer Science and Engineering department (https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/departamentos/dei) together with the Bio-Engineering department (https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/departamentos/dbe) proposed to the Scientific council of IST the opening of a “strategic” Associate Professor position for Bioinformatics and Computational Biology.

So, if you are interested in applying to it, check this page http://drh.tecnico.ulisboa.pt/job-opportunities/

However, don’t be to eager to get the position, since it already has a name (like most positions at IST): Susana Vinga

Susana Vinga is a competent researcher on Control Theory and Metabolic network analysis and, most likely, a good teacher for the Bio-engineering department and/or the Mechanics department. But it is difficult to see how can she contribute to the courses offered by the Computer Science and Engineering department. Unless, the motivation is to pay the years of subservience to Arlindo L. Oliveira and Ana T. Freitas, and to help (or completely replace) Ana T. Freitas give the Computational Biology course.

Now, the fun of this post, is that the persons proposing and approving the vacancy opening are exactly the persons benefiting from it. Moreover, the ones on the jury will be the Full professors on the scientific area of MTP: Arlindo L. Oliveira and Ana T. Freitas. (Arlindo, if you’re reading this, replace one of you by JCM to give a more impartial air to the jury).

So, in a few days/weeks the opening will be officially open, and if a few months we’ll know the result. D0n’t expect any surprises, though.

PS: For the ones who just landed on planet IST, two pieces of additional information: Arlindo L. Oliveira is the President of IST and is married to Ana T. Freitas.

And that is how you build a school of excellency!

Perks of being the first lady

​Meus caros,
Hoje quero-vos falar de como é que se lança uma startup, através de um caso de estudo: a minha startup http://www.HeartGenetics.com

Primeiro de tudo é preciso começar a dar-se com as pessoas certas. No meu caso, eu escolhi relacionar-me intimamente com alguém que era o meu orientador de doutoramento (já agora, algo proibido no IST), Arlindo Oliveira. Olhando para trás, isso foi a melhor aposta na minha vida. As portas abertas têm sido imensas e nunca possíveis sem a sua intervenção (desenvolverei este tema noutra altura). O importante é que, esse orientador de doutoramento é actualmente o meu marido. Marido esse que entretanto teve o pelouro das finanças do IST e é actualmente Presidente do Instituto Superior Técnico.
Nada mais conveniente para eu o colocar no Advisory Board da HeartGenetics 🙂
Mas não se enganem, o nome dele aparece porque eu partilho uma cama, não pela qualidade da empresa (sobre isso também poderei desenvolver noutra altura).

O segundo passo, é ter capital de risco investido na empresa. Para isso foi crucial fazer uns pitchs aqui e ali, até começar a perceber quem tem o poder de decisão de financiamento. Além da grande injeção de capital que obtive da Espírito Santo Ventures, a ajuda crucial veio (mais uma vez) do meu marido. Foi ele que conseguiu exercer pressão para a HeartGenetics ser uma startup do INESC-ID, e foi ele que colocou o Luis Caldas Oliveira à frente do bolo de financiamento das spin-offs do IST. O quid pro quo é também o apoio da HeartGenetics por parte do IST.

O terceiro passo é ter acesso aos fundos do COMPETE. Para isso a HeartGenetics teria de ser uma empresa deslocalizada da região de Lisboa. Nada mais fácil.
Tinha uma empresa no polo do TagusPark que prestava serviços à HeartGenetics que não era mais do que uma caixa postal em Arruda dos Vinhos, o que funcionou por uns tempos. Depois fomos obrigados sair da região de Lisboa e fomos para o Biocant em Cantanhede. No entanto, só a parte laboratorial passou para Cantanhede. A parte computacional continua em Lisboa. O que torna engraçadas as visitas do COMPETE a Cantanhede onde todos estamos presentes fazendo de conta que trabalhamos todos em Cantanhede.

Renegociação de contratos HG

Na minha startup, a HeartGenetics, houveram recentemente renegociações de contratos de trabalho com alguns dos nossos colaboradores (a razão para isso fica para outra altura).

Aproveitei a ocasião para incluir algumas clausulas adicionais nos contratos. Em particular, relativamente ao prazo mínimo de pré-aviso no caso de rescisão do contrato de trabalho por iniciativa dos colaboradores.

Propus no contrato de trabalho um prazo mínimo de 6 meses (nada mau heim!). E houveram algumas reclamações a dizer que era demasiado.

O engraçado é que dei a volta de forma inteligente (não pensavam isso de mim, pois não?) e disse que o prazo era um reflexo do empenho dos colaboradores para com a empresa, e que eles é que sabiam quanto é que valeria o seu trabalho.

Amnésia

Meus caros,

Decidi tomar a iniciativa de partilhar com vocês situações do meu dia a dia.

Como sabem, eu nunca fui, não sou, e provavelmente nunca serei, conhecida pelos meus conhecimentos técnico-científicos.

Quem já conviveu comigo mais do que algumas semanas sabe que eu crio situações caricatas sempre que quero levar alguma coisa avante. Felizmente, como todos devem saber, tenho as costas quentes. Aliás, na minha instituição, mais quente não dá (mas isto é tema a desenvolver noutra altura).

Mas começo este espaço virtual para vos pedir algo.

Se vocês se lembrarem de situações em que passei por cima de alguém para benefício próprio, criei enclaves políticos, ou disse algo sem sentido técnico ou científico, peço-vos para contribuirem (de forma anónima ou não) com duas ou três frases que descrevam essa situação.

O contacto é anatfreitas@mail.com

Penso que todos juntos poderemos tornar este espaço num local agradável de lazer e informação.